Consulta (Acesso Restrito)

Código:   Senha:

 

Novos reajustes em vários segmentos da economia preocupam novandradinenses

Luciene CarvalhoRedação Nova News

   

Os dias de crise parecem estar longe de ter um fim. Novembro começou dando sinais que os brasileiros devem amargar preços bem caros em vários segmentos da economia. A menos de dois meses do fim do ano, os novos reajustes devem fazer 2017 começar com dor de cabeça na hora do consumidor pagar suas contas.

 

O primeiro impacto começa pelas multas de trânsito que ficaram mais caras a partir deste dia 1º de novembro. De um lado, o ônus a mais no bolso e, de outro, a necessidade de regras mais duras para frear os abusos dos condutores no dia a dia no trânsito.

Energia elétrica passa a pesar mais no bolso do consumidor na hora de pagar a contar de luz (Imagem: Divulgação)

O reajuste nas infrações de trânsito chega a ser até aceitável, diferente dos preços mais altos na conta de luz e combustíveis, incluindo também o gás de cozinha.

 

ENERGIA ELÉTRICA – Com suas regras até difíceis de serem entendidas, a energia elétrica passa a pesar mais no bolso do consumidor na hora de pagar a contar de luz. A partir deste mês de novembro, a bandeira tarifária de energia elétrica será amarela, com custo de R$ 1,50 a cada 100 kWh (quilowatt-hora) consumidos. A mudança acontece após relatório do Programa Mensal de Operação (PMO) do Operador Nacional do Sistema (ONS) apontar que a condição hidrológica está menos favorável.

 

COMBUSTÍVEIS – Quando o assunto é abastecer, a preocupação é ainda maior. Os combustíveis voltaram a ficar mais caros também neste dia 1º. Ao contrário do anúncio da Petrobras, a gasolina e o diesel vão custar mais nas bombas de Mato Grosso do Sul. A explicação é porque o governo federal atualizou o preço nas distribuidoras.

 

Pela nova regra, os novos preços estabelecidos pelo Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária) na prática, significa aumento de R$ 0,03 na gasolina, de R$ 0,05 no diesel e de R$ 0,13 no etanol.

 

De acordo com informações apuradas pelo Nova News, o preço médio da gasolina comum em Mato Grosso do Sul que atualmente é de R$ 3,5533 passará para R$ 3,5908. 

 

O valor médio do diesel sai de R$ 3,2072 e chega a R$ 3,2604 e por fim, o etanol que custa em média R$ 2,6976 vai a R$ 2,8282.

 

Ainda pelo apurado, esse é o segundo reajuste seguido para os consumidores de Mato Grosso do Sul. Na semana passada, o Sinpetro (Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis) informou que devido à entressafra da cana-de-açúcar e consequente aumento no preço do etanol, o valor nas usinas tem sido reajustado semanalmente.

 

Como o etanol representa 27,5% da composição do litro da gasolina comum, o aumento de R$ 0,03 a R$ 0,05 foi repassado para o consumidor desde a semana passada. Com os reajustes recentes, a gasolina comercializada em MS deixou de ser a mais barata do país.

 

De acordo com levantamento da ANP (Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), o preço médio da gasolina no Estado (R$ 3,488) é o terceiro menor do país, perdendo apenas para o Distrito Federal (R$ 3,46) e São Paulo (R$ 3,480).

 

Até o fechamento da matéria, os preços em Nova Andradina se mantêm sem alteração. A informação é que os preços devem ser alterados a partir de um anúncio das distribuidoras.

 

GÁS DE COZINHA – E o gás de cozinha então? Este ficou até 4% mais caro a partir também de terça-feira (01). Em Nova Andradina, um dos locais pesquisados pela reportagem, o valor do botijão é vendido a R$ 65,00. Pelo informado, o botijão deveria estar custando R$ 72,00 e dentro em breve já deverá ser repassado para o consumidor. (*Matéria da versão impressa do Nova News).



<< Voltar

PARCEIROS


 

 

ANÚNCIOS


(67) 3441-1955
Av. Antonio Joaquim de Moura Andrade, 1840 - Centro | Nova Andradina / MS

Imagem